Textos

SABER... EU SEI, MAS É A LEI!
Antônio estava no ponto de ônibus, voltando do trabalho, naquele finalzinho de tarde, quando aquele garoto de mais ou menos uns 12 anos, sujo, calçando um tênis rasgado aproximou-se dele, com um olhar de súplica e em voz baixa lhe pediu.
− Moço... me dá dois reais!?
− Pra que você quer dois reais?
− Pra comprar um lanche!
− Ah! Você está com fome?
O garoto balançou a cabeça que sim e Antônio condoído com aquilo prontificou-se logo a ajudá-lo.
− Venha comigo até a padaria da esquina que eu te pago um lanche – disse já enfiando a mão no bolso.
O moleque esperou de mão estendida e como os dois reais não chegaram em sua mão, ele endureceu o olhar e disse.
− Eu te pedi dois reais e não lanche...
− Mas você não está com fome? – Argumentou Antônio tirando a mão do bolso – Eu te pago o lanche... vamos lá comigo...
− Eu quero dois reais...
− Não! Eu te pago o lanche se você quiser – insistiu Antônio - mas dinheiro, eu não te dou.
− Olha só coroa... se tu não “quer” me dar os dois reais... o lanche tu “pode” enfiar naquele lugar.
− Olha o respeito moleque... eu tenho idade pra ser teu avô.
− Vai te lascar seu bunda mole... seu otário! – enquanto falava isso o menino que antes parecia frágil e desamparado, agora estava enfurecido, munia se de pedras, uma em cada mão e partia para cima de Antônio xingando desaforadamente.
− Seu velho babaca, agora tu “vai” ver... tá me tirando... seu otário... agora eu quero é a tua carteira... passa logo a carteira e o celular!
Atirou uma pedra em direção à cabeça de Antônio que se esquivou e viu a pedra espatifar-se no poste, no qual ele estava encostado. Quando o menino passou a pedra que segurava para a outra mão e preparava-se para atirar-lhe, Antônio resolveu agir, dando um salto, segurou os dois braços do menino, apertando com força, fazendo com que ele soltasse a pedra. Naquele momento dois homens que estavam no bar (e com certeza assistiam a tudo), correram e seguraram Antônio, fazendo o soltar o garoto que desandou a chorar e acusá-lo de tê-lo agredido. Nisso, uma senhora acompanhada de duas outras mulheres, pararam próximo e começaram a xingá-lo de covarde, sem nem mesmo saber o que havia acontecido.
O número de curiosos foi aumentando e de repente Antônio se viu cercado por uma pequena multidão que paparicava o pequeno ladrão e ao mesmo tempo o xingava e o ameaçava, até que de repente um sujeito passou-lhe uma rasteira, fazendo o cair na calçada dura.
A partir daí ele só lembra dos chutes e dos xingamentos e deu graças a Deus quando ouviu a sirene da viatura fazendo silenciar os gritos da turba enfurecida.
Na delegacia, o Dr. delegado refestelado em sua cadeira giratória o encara e pergunta:
− Então você gosta de bater em garotos inocentes, não é?
− Não... doutor! Ele pode até ser garoto, mas não tem nada de inocente. Ele queria me roubar...
− Eu sei! Conheço aquele pivete. Você não é a primeira vítima dele e nem o primeiro a cair nesse truque dele.
− Então eu estou livre? Posso ir pra casa?
− Nem pensar! Você está sendo acusado de agredir uma criança e não importa o que ela tenha feito, simplesmente você é o culpado e ela inocente.
− Mas, se você sabe doutor...
− Saber eu sei... mas eu tenho que cumprir a lei. O estatuto... sabe!
− Ah! A lei... entendi...
E foi assim que Antônio, um trabalhador brasileiro, pagador dos seus impostos e cumpridor de suas obrigações cívicas descobriu:
* Que as leis Brasileiras não foram feitas para proteger pessoas serias e responsáveis
* Que uma mentira de um menor infrator vale mais que 100 verdades de um trabalhador
* Que o povo, às vezes julga, condena e executa sem conhecer a verdade, faz isso baseado apenas na aparência e no que ouve.
* Que por ter se negado a dar dois reais ao pedinte bandido, teve que pagar dois mil reais de fiança e gastar outro tanto com advogado.
* E que em um pais onde a mentira tem mais força que a verdade, é necessário ser honesto em dobro para que tudo não desande de vez.




Francyo Dias
Enviado por Francyo Dias em 23/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários